Jorge Amado, escritor baiano que vai te ajudar a entender a história do Brasil

Tempo de leitura: 2 min

Escrito por Carlos Meira
em julho 13, 2022

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.

Gabriela Cravo e Canela e Dona Flor e seus Dois Maridos estão entre os romances famosos ambientados na Bahia. Personagens retratam o que autor observou e viveu

Você conhece Jorge Amado? Pode ser que não se lembre do nome, mas, com certeza, já leu ou assistiu a alguma adaptação de suas obras que fizeram sucesso no Brasil e no exterior. Estamos falando de um dos nossos escritores mais famosos e premiados de todos os tempos, um baiano de respeito.

Da próxima vez que viajar para a Bahia, procure conhecer mais sobre a vida de Jorge Amado, pois essa também é uma forma de saber mais sobre a cultura. Afinal, cada obra sua nos dá mais detalhes sobre seu estado natal e o próprio Brasil, tanto nas cidades quanto no ambiente rural.

Gabriela Cravo e Canela, Tenda dos Milagres e Dona Flor e seus Dois Maridos são apenas alguns exemplos de obras do escritor que viraram novela, todas ambientadas na Bahia. Capitães de Areia e Mar Morto estão entre os seus livros mais consagrados, que também mostram muito da cultura do estado.

Quem visita Salvador precisa conhecer a Fundação Casa de Jorge Amado, um espaço cultural que homenageia o escritor e fica no Pelourinho, uma região histórica cheia de charme. Além de um acervo que conta a história dele, há um café e o Mirante das Letras.

A casa onde ele viveu, no Rio Vermelho, também foi transformada em um museu e se encontra aberta para visitação. Além da estrutura original, o local conserva vários móveis e objetos utilizados pelo escritor e sua esposa Zélia Gattai, que também escrevia. As cinzas dos dois foram depositadas no jardim da propriedade.

Quem foi ele?

O escritor nasceu em 1912 em uma fazenda no povoado de Ferradas, na região de Ilhéus — não por acaso, várias de suas histórias são ambientadas na cidade. Mudou-se para Salvador na adolescência e logo começou a escrever para jornais e veículos literários.

Em 1930, foi estudar Direito no Rio de Janeiro, época em que publicou seus primeiros romances. Na década de 1940, por perseguições políticas, ele se exilou na Argentina e no Uruguai, período que aproveitou para conhecer vários países da América Latina. Também morou na Europa e se dedicou à vida política.

No entanto, apesar de carregar em sua história referências de tantos lugares, é na Bahia que se passam boa parte de seus romances, que têm forte estilo regionalista e também referências realistas. As histórias são narradas como uma grande aventura, o que também explica o sucesso das adaptações para o audiovisual.

Pescadores, marinheiros, artistas, prostitutas, operários, pais de santo e coronéis são personagens que fazem parte de seus livros, a maioria em linguagem popular e direta, se diferenciando do tom rebuscado de vários autores que fizeram sucesso na mesma época.

Em algumas entrevistas, Jorge Amado chegou a afirmar que escrevia sobre aquilo que observava e vivia, o que também explica porque a cultura de sua região é tão referenciada em suas obras. O sincretismo e as crenças da umbanda e candomblé, religiões que ele frequentava, também aparecem com frequência.

Jorge Amado é um dos escritores brasileiros que mais vendeu livros em todos os tempos. Suas obras foram traduzidos para mais de 80 países, mostrando para o mundo um pouco mais sobre a cultura do Brasil e da Bahia.

Como reconhecimento, o escritor recebeu vários prêmios literários  importantes ao longo de sua carreira, além de ter sido consagrado Doutor Honoris Causa por várias universidades do Brasil e do mundo. Mesmo depois de sua morte, em 2001, continua sendo reconhecido e reverenciado.

Você vai gostar também:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe um comentário


*


*


Seja o primeiro a comentar!

JUNTE-SE Á NOSSA LISTA DE SUBSCRITORES

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

100% livre de spam.